Skip to main content

EMPODERAMENTO É ISTO: 40 ANOS DA ATUAÇÃO DAS MULHERES NA FAB

Seja nas aeronaves, nas pistas, nos hangares, nas escolas de formação, nos hospitais, nas torres de controle de tráfego aéreo, nas unidades administrativas, nas coberturas jornalísticas, no esporte, entre outras atividades, as mulheres, militares e civis, estão cada vez mais presentes na Força Aérea Brasileira (FAB). São mais de três décadas que oficiais e graduadas acumulam muitas vitórias e fazem história na Aeronáutica.

A presença feminina no âmbito da FAB ocorre desde a Segunda Guerra Mundial, quando, em julho de 1944, seis enfermeiras passaram a integrar o Quadro de Enfermeiras da Reserva da Aeronáutica. Elas atuaram no teatro de operações como integrantes do Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1º GAvCa).

O ingresso das mulheres na Força, como parte do efetivo, ocorreu a partir dos anos 80. Na ocasião, viu-se a necessidade de ampliar o contingente e, por isso, foram realizados estudos para a inclusão da mulher como militar na Força. As pesquisas culminaram na criação do Corpo Feminino da Reserva da Aeronáutica (CFRA), que constituíram o Quadro Feminino de Oficiais (QFO) e o Quadro Feminino de Graduadas (QFG). A primeira turma de mulheres ingressou na FAB em 1982.

CADETES – Em 1995, o então Ministro da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Mauro José Miranda Gandra, deu início aos trâmites para que as mulheres pudessem, pela primeira vez, ser Cadetes da Academia da Força Aérea (AFA). Em 1996, ingressaram as primeiras Cadetes Intendentes na AFA, que atingiram o posto de Tenente-Coronel em agosto de 2017. Elas poderão chegar até o posto de Major-Brigadeiro, maior patente deste quadro.

O ano de 1996 também foi considerado um marco para o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), pois contemplou o primeiro concurso aberto às mulheres. De um total de 3.800 inscritos, que disputavam as 120 vagas disponíveis, 530 eram candidatas. O ITA já formou 160 mulheres nesses 20 anos, tendo uma média de 8 graduadas por ano.

Na Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR), que abrange os ensinos de nível médio e técnico, as mulheres ingressaram em 1998. Dependendo da especialidade escolhida, elas podem alcançar o posto de Coronel.

PIONEIRAS – Também na AFA, em 2003, ingressaram as primeiras Cadetes Aviadoras. Atualmente, elas ocupam o posto de Major. As Aviadoras ocupam funções como pilotos de todas as Aviações da FAB e podem chegar ao posto de Tenente-Brigadeiro, o mais alto na hierarquia da Aeronáutica.

No ano de 2017, a Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), em Barbacena (MG), passou a admitir mulheres em todos os anos do ensino médio em seu Curso Preparatório de Cadetes do Ar (CPCAR). Após três anos de curso, as concluintes se tornaram Cadetes, ingressando na AFA neste ano.

Texto: Tenente Raquel Alves, Tenente Cristiane dos Santos e Tenente Flávia Rocha/CECOMSAER

A GENTE QUER TE OUVIR. SIGA-NOS EM NOSSAS REDES SOCIAIS

Instagram https://www.instagram.com/obsmilitarbr/

Facebook http://www.facebook.com/observatoriomilitardobrasil/

Twitter https://twitter.com/obsolinda

Youtube https://www.youtube.com/channel/UCRiaMDDQmUXI-YJqzkl1VWw?view_as=subscriber

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: